fbpx

CDBs avançam em rentabilidade até 120% do CDI

CDBs: Retornos da primeira quinzena de dezembro

Compartilhe este post

CDBs avançam em rentabilidade até 120% do CDI

A semana foi marcada pela expectativa do mercado  em relação à política monetária do Banco Central para 2023. E diante das incertezas fiscais, agentes de mercado acreditam no adiamento de queda da Selic ou até aumento da taxa no próximo ano. 

O cenário trouxe reflexos para o mercado de Certificados de Depósito Bancário (CDBs), alguns inclusive diferente do esperado por especialistas.Quer saber mais?

A Quantum realiza quinzenalmente um levantamento sobre esses títulos de renda fixa, a pedido do portal InfoMoney. Os dados correspondem entre os dias 22 de novembro e 6 de dezembro.

Confira abaixo as principais informações sobre esse mercado:

CDBs prefixados 

Diante das incertezas fiscais, o mercado aguardava uma alta dos papéis prefixados. Afinal, diante de ciclos de aumento da taxa de juros, os retornos desses títulos correm o risco de  ficar defasados. 

Mas, não foi isso que nossos experts observaram nas últimas semanas. A maioria das taxas máximas no período retraiu. A única exceção foram os papéis com vencimento em 24 meses, chegando a 15,95% ao ano.

O movimento também se repetiu na maioria das taxas médias dos títulos. Somente dois CDBs prefixados apresentaram pequenas altas: com prazo de 6 meses saíram de 13,94% para 13,99% ao ano; e de 12 meses foram de 14,38% para 14,45% ao ano.

Confira os principais dados abaixo:

Retornos brutos de CDBs prefixados (de 22/11 a 06/12)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
3PREFIXADO13,30%13,61%14,07%12BANCO BTG PACTUAL
6PREFIXADO13,60%13,99%14,35%26BANCO BTG PACTUAL
12PREFIXADO13,80%14,45%15,10%18BANCO PAN
24PREFIXADO12,10%14,74%15,95%10BANCO DAYCOVAL
36+PREFIXADO12,90%12,90%12,90%1BANCO DAYCOVAL

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

CDBs atrelados ao CDI

Na contramão dos prefixados, os CDBs indexados ao DI tiveram altas em suas taxas médias entre 22 de novembro e 6 de dezembro.

Os papéis com prazo de 6 meses, por exemplo, saltaram de 99,88% do CDI para 100,41% do CDI.

Por outro lado, os juros máximos não avançaram, mas se mantiveram estáveis no período analisado. Nosso levantamento mostrou somente dois papéis com alta no juro máximo. 

Os CDBs de 24 meses foram um deles, que alcançaram a casa dos 120% do CDI de rentabilidade. Os outros foram os títulos com vencimento de 36 meses e retorno de 115% do CDI.

Veja abaixo os números.

Retornos brutos de CDBs indexados ao CDI (de 22/11 a 06/12)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
3DI98,00%101,75%105,00%20BANCO VOLKSWAGEN
6DI90,00%100,41%105,00%37BANCO ABC BRASIL
12DI90,00%100,97%110,00%49BANCO MASTER
24DI92,00%100,53%120,00%51BANCO MASTER
36+DI100,00%103,30%115,00%46LECCA FINANCEIRA

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

CDB atrelado ao IPCA

Diferentemente dos demais, os títulos indexados à inflação apresentaram movimentos mistos entre 22 de novembro e 6 de dezembro. Uma das razões foi o ressurgimento dos papéis com prazo de 12 meses desse segmento nas prateleiras.

Esses CDBs chegaram a oferecer retornos de 7,55% mais a inflação durante as últimas semanas — o que representou um salto de 0,50% em aproximadamente um mês.

No caso de títulos com prazo de 24 meses, houve um avanço de 0,45% nos retornos máximos. O levantamento captou CDBs com vencimento de 6,40% ao ano acrescido do IPCA.

Veja abaixo os retornos:

Retornos de CDBs indexados à inflação (de 22/11 a 06/12)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
12100% IPCA7,55%7,55%7,55%1BANCO XP
24100% IPCA5,95%6,13%6,40%4BANCO ABC BRASIL

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

CONFIRA AGORA A REPORTAGEM COMPLETA:

Compartilhe este post

Menu