fbpx

Confira as debêntures mais rentáveis do ano e o que esperar em 2023

Debêntures: Os melhores retornos e o que esperar em 2023

Compartilhe este post

Confira as debêntures mais rentáveis do ano e o que esperar em 2023

Se por um lado as empresas não lançaram novas ações na bolsa no ano, não podemos dizer o mesmo sobre os títulos de crédito privado. 

As debêntures movimentaram mais de R$ 234,9 bilhões no mercado até novembro deste ano, um valor 5,2% maior do que o mesmo período em 2021. Para se ter uma ideia, esses papéis representaram metade das emissões de renda fixa, segundo a Anbima.

Diante desse cenário, a Quantum realizou um levantamento sobre a rentabilidade das debêntures em 2022, a pedido do portal InfoMoney

Confira abaixo as principais informações sobre esse mercado:

Debêntures mais rentáveis de 2022 

O nosso estudo mostra empresas pagando entre 15,79% a 27,01% para os investidores. 

Consideramos somente debêntures com PU indicativo na Anbima, incluindo as emitidas ou vencidas durante o ano. Os dados correspondem ao acumulado do ano até o dia 7 de dezembro.

A debênture com maior retorno é da Concessionária Rota das Bandeiras, com vencimento em julho de 2027, pagando 27,01%.  A companhia é responsável pelo Corredor Dom Pedro, em São Paulo.

Fechando o pódio, na segunda e terceira posição, temos uma empresa nas duas posições: a International Meal Company Alimentação, dona do Frango Assado, Viena e Pizza Hut. Os papéis com validade até março de 2026 pagam 19,9%. Já as com vencimento em setembro de 2025 rendem 19,3%.

 A maioria das companhias 20 é do setor de infraestrutura. O estudo revela que a taxa média levando em conta as Top 20, é de 17,5% no ano (2022 até 7/12).

Veja as 20 debêntures mais rentáveis do ano:

DebêntureEmissorEmissãoSérieData de EmissãoData de VencimentoRemuneraçãoRetorno no Ano
CBAN22CONCESSIONÁRIA ROTA DAS BANDEIRAS 2215/11/201915/07/2027DI + 2%27,01%
MEAL21INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO 1215/03/201915/03/2026DI + 5,30%19,89%
MEAL12INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO 2110/09/201910/09/2025DI + 5%19,27%
VNTT11VENTOS DE SÃO TITO HOLDING 1115/09/201515/06/2028IPCA + 9,24%18,72%
CBAN52CONCESSIONÁRIA ROTA DAS BANDEIRAS 2515/11/201915/07/2034IPCA + 5,20%17,22%
CBAN72CONCESSIONÁRIA ROTA DAS BANDEIRAS 2715/11/201915/07/2034IPCA + 5,20%17,18%
MEAL11INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO 1115/03/201915/03/2024DI + 4,85%17,05%
AGRU12GRU AIRPORT 2115/10/201415/10/2026IPCA + 6,40%16,98%
CBAN32CONCESSIONÁRIA ROTA DAS BANDEIRAS 2315/11/201915/07/2034IPCA + 5,20%16,98%
AGRU21GRU AIRPORT 1215/02/201415/06/2025IPCA + 7,86%16,98%
CBAN12CONCESSIONÁRIA ROTA DAS BANDEIRAS 2115/11/201915/07/2034IPCA + 5%16,92%
CVCB14CVC VIAGENS 4118/04/201918/04/2023DI + 6%16,91%
CCPRA3CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES13115/03/202115/03/2024DI + 1,75%16,87%
AGRU11GRU AIRPORT 1115/02/201415/03/2025IPCA + 7,86%16,79%
AGRU31GRU AIRPORT 1315/02/201415/09/2025IPCA + 7,86%16,50%
UNDAC3UNIDAS 13310/04/201910/04/2029112% do DI16,29%
AGRU41GRU AIRPORT 1415/02/201415/12/2025IPCA + 7,86%16,11%
VLID28VALID SOLUÇÕES 8210/05/202110/05/2025DI + 4,25%15,99%
SAPR28SANEPAR – COMPANHIA SANEAMENTO PARANÁ8221/06/201821/06/2023108% do DI15,80%
CSRN39COSERN – COMPANHIA ENERGÉTICA RIO GRANDE NORTE9317/04/201915/04/2024107,25% do DI15,79%

Fonte: Quantum Finance. 

Por que as debêntures estão pagando bem?

A reportagem do InfoMoney ouviu especialistas em debêntures e analisou a trajetória desses papéis desde a pandemia para explicar o atual cenário.

Como já sabemos, a pandemia da Covid-19 promoveu uma aversão ao risco no mercado global. E isso refletiu negativamente das debêntures, com um recuo de 34% nos papéis em 2020.

Já em 2021, com o início da alta da Selic, o cenário se reverteu. O mercado viu o segmento atingir novos recordes em originação e distribuição, além de um volume de R$ 250,4 bilhões — valor duas vezes maior que no ano anterior. 

Mesmo com o desempenho positivo em 2021, os números de 2022 surpreenderam os especialistas.

“Não esperávamos que esse número (de 2021) se replicasse, porque o ano passado foi um período em que a renda fixa cresceu muito, em razão da elevação dos juros, que acabou direcionando um bom volume de investimentos para essa modalidade”, revelou  Guilherme Maranhão, vice-presidente do Fórum de Estruturação de Mercado de Capitais da Anbima.

Regulação 160 chegando em 2023

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá implementar a resolução 160 em 2023. A promessa é trazer vantagens para as debêntures, incluindo as ofertas públicas de distribuição primária ou secundária de valores mobiliários

Hoje, há duas instruções no mercado de debêntures: a 400, contemplando ofertas registradas na autarquia; e a 476, voltada às operações não registradas, permitindo a procura de, no máximo, 75 investidores profissionais para o lançamento dos papéis, enquanto a alocação é de 50. A nova resolução promete derrubar essas barreiras, combinando os dois normativos.

“Sem a limitação no número de investidores, a tendência é de que os lançamentos fiquem mais pulverizados, o que pode se refletir em custos melhores para os emissores, pois haverá mais concorrência na ponta”, destaca Maranhão.

O profissional também fala em maior facilidade para emissores frequentes e o reajuste do volume de informações obrigatórias para diferentes perfis de investidores.

As projeções para 2023

A reportagem do InfoMoney também falou sobre as expectativas do mercado para o próximo ano.

“Na medida em que os juros se mantenham elevados, uma sinalização que temos ouvido dos economistas, é de se esperar que 2023 seja um ano, se não tão forte, pelo menos muito parecido com 2022 para as debêntures”, diz Guilherme Maranhão.

O especialista, no entanto, destaca dois pontos a serem acompanhados: a disposição das empresas em buscar novos recursos e a concorrência de outras alternativas no mercado, como os bancos de fomento. 

A reportagem também ouviu Yuri Ramos, superintendente de Corporate & Investment Banking do Banco BV. A instituição espera a manutenção ou redução no volume de ofertas de debêntures em 2023. Para ele, muitas companhias já anteciparam suas necessidades para o próximo ano. 

CONFIRA AGORA A REPORTAGEM COMPLETA:

 

Compartilhe este post

Menu