fbpx

CDBs: prefixados com prazos mais longos sobem

CDBs: prefixados com prazos mais longos sobem

Compartilhe este post

CDBs: prefixados com prazos mais longos sobem

A expectativa do mercado sobre a queda dos juros se confirmou nesta quarta-feira (02) e o Copom decidiu cortar a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, chegando a 13,25%. Antes disso, as rentabilidades dos CDBs apresentaram movimentos mistos.

É o que mostra o levantamento da Quantum para o portal InfoMoney, que analisou os CDBs emitidos entre 18 e 31 de julho.

As taxas oferecidas para os títulos prefixados subiu nos prazos mais longos. Já os papéis atrelados à inflação caminharam na direção oposta, com queda nos juros pagos nos vencimentos mais longos.

No caso dos CDBs pós-fixados, o movimento foi de alta nas taxas como uma forma de compensar a redução da Selic nos próximos meses, com a maior chegando a 120% do CDI.

Veja a seguir os resultados do estudo da Quantum, publicado pelo InfoMoney:

CDBs prefixados

Os CDBs prefixados emitidos no período do levantamento apresentaram taxas médias maiores para os vencimentos mais longos.

A taxa média para os papéis com vencimento em 36 meses chegou a 11,23%, contra 10,71% no período anterior. Também houve aumento das taxas médias para 24 meses.

Por outro lado, os vencimentos mais curtos apresentaram queda nas rentabilidades oferecidas.

Veja:

Retornos de CDBs prefixados (18 a 31/07)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
3PREFIXADO12,80%13,18%13,65%21BANCO ABC BRASIL
6PREFIXADO11,90%12,66%13,25%37BANCO DAYCOVAL
12PREFIXADO10,90%11,67%12,16%23BANCO DAYCOVAL
24PREFIXADO10,45%10,77%11,00%7HAITONG BANCO DE INVESTIMENTO DO BRASIL
36PREFIXADO10,50%11,23%12,83%4BANCO AGIBANK

Fonte: Quantum Finance

CDBs atrelados à inflação

Chamou a atenção no levantamento o número de emissões de CDBs atrelados à inflação, que subiu de 45 para 67.

As taxas tiveram movimentos mistos entre os prazos de vencimento. Houve alta nas rentabilidades de títulos de médio prazo e queda nos de vencimentos mais longos.

Confira:

Retornos de CDBs indexados à inflação (18 a 31/07)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
12IPCA7,00%7,00%7,00%1BANCO XP
24IPCA4,80%6,37%6,85%48HAITONG BANCO DE INVESTIMENTO DO BRASIL
36IPCA4,40%5,96%6,35%18HAITONG BANCO DE INVESTIMENTO DO BRASIL

Fonte: Quantum Finance

CDBs atrelados ao CDI

Com toda a expectativa para o início do ciclo de corte da Selic, confirmada nesta quarta-feira (02), os CDBs pós-fixados apresentaram taxas maiores.

Houve alta nas taxas médias para todos os vencimentos, com exceção dos títulos com prazo de seis meses.

A maior taxa oferecida no período do estudo foi de 120% do CDI, contra 117% no levantamento anterior.

Veja:

Retornos de CDBs indexados ao CDI (18 a 31/07)
Prazo (meses)IndexadorTaxa mínimaTaxa médiaTaxa máximaNúmero de títulosEmissor da maior taxa
3%CDI97,50%101,08%104,75%29BANCO BTG PACTUAL
6%CDI97,50%99,74%105,00%50BANCO ABC BRASIL
12%CDI90,00%101,34%120,00%77BANCO MASTER 
24%CDI98,00%101,02%110,10%77BR PARTNERS 
36%CDI100,00%102,97%118,00%60BANCO C6

Fonte: Quantum Finance

VEJA AS MATÉRIAS SOBRE OS CDBS:

Matéria: CDB hoje: antes do Copom, rentabilidade de prefixados longos volta a subir e atinge até 12,83% ao ano

Autor: Leonardo Guimarães

Por: InfoMoney – Publicado em 01/08/2023

Matéria: Renda fixa está longe de morrer: como ficam CDBs, títulos públicos e debêntures com Selic a 13,25%?

Autor: Leonardo Guimarães

Por: InfoMoney – Publicado em 03/08/2023

Informações Financeiras: Quantum Finance

Compartilhe este post

Menu