Melhores e piores BDRs 2021 - Investing.com e Quantum

Compartilhe este post

Melhores e Piores BDRs em 2021 | Investing.com

Desde meados de 2020, todos os BDRs se tornaram acessíveis aos investidores não qualificados. Esta sigla, que representa “Brazilian Depositary Receipt”,  se trata de um papel lastreado em outro, que por sua vez é negociado em outra bolsa do mundo e tem chamado atenção dos investidores por ser um importante elemento de diversificação de carteiras.  Por isso, o expert em Finanças Carlos Heitor Campani realiza uma análise em sua coluna no Investing.com sobre os melhores e piores BDRs de 2021.  Os dados foram extraídos da plataforma Quantum, a mais completa em inteligência de mercado para o setor financeiro. Confira seu artigo:.

Melhores e Piores BDRs em 2021
Por Carlos Heitor Campani

Primeiro, é importante entender as diferenças de um BDR para outro. Um BDR patrocinado é aquele emitido pela própria empresa emissora do papel original e que serve de lastro. Já um BDR não-patrocinado é emitido por qualquer instituição financeira. Por exemplo, há BDRs da Apple (SA:AAPL34), do Facebook (SA:FBOK34) e da Netflix (SA:NFLX34), todos eles não-patrocinados.

A imensa maioria dos BDRs negociados na B3 consiste de não patrocinados. Apesar de um BDR não tornar seu detentor sócio daquela empresa e, portanto, não dar direito a voto, a CVM garante que o emissor deverá honrar pagamentos de dividendos aos seus detentores. Eu gosto bastante de BDRs porque eles são excelentes instrumentos de diversificação para investidores brasileiros. A primeira razão é que BDRs representam empresas antes inacessíveis, com riscos muitas vezes bem distintos dos apresentados por empresas originalmente negociadas na B3. A segunda é que são investimentos “dolarizados”, de modo que o efeito cambial provoca um hedge interessante quando a carteira é bem diversificada.

Por outro lado, uma desvantagem de muitos BDRs é a falta de liquidez atualmente. Isso quer dizer que, nesse caso, há um enorme risco de sermos obrigados a vender o papel com algum deságio se precisarmos do dinheiro rapidamente. Outra desvantagem é tributária, pois não há a isenção até o limite de R$ 20 mil em vendas totais no mês, como há com ações. Além disso, BDRs pagam impostos conforme a lei tributária do país de origem (tal como nos EUA). E quando não pagar no país de origem, o investidor precisará pagar aqui no Brasil, porque esses dividendos serão tratados como rendimentos recebidos do exterior e, portanto, a tabela progressiva usual de IR pessoa física, com a alíquota máxima de 27,5%, será aplicada.

Com dados disponibilizados pela plataforma Quantum Finance, busquei todos os BDRs disponíveis e encontrei um fabuloso número de 724 BDRs, sendo apenas seis deles patrocinados: Aura 360, G2D Investments, GP Investments, PPLA Participations, Stone e Wilson Sons.

A tabela abaixo lista o total por país de origem e podemos perceber que a maioria esmagadora é, naturalmente, dos Estados Unidos.

Melhores e piores BDRs 2021 - Paises de origem

PONTO DE ATENÇÃO: FALTA DE LIQUIDEZ 

Conforme escrevi mais acima, o investidor precisa estar muito atento no que diz respeito à liquidez dos BDRs. Muitos deles passam dias sem ter ao menos uma negociação. Para se ter uma ideia, um BDR é negociado, em média, em aproximadamente apenas 40% dos pregões, ou seja, em apenas dois a cada cinco dias (estatística apurada ao longo de 2021). É bem verdade que essa média é puxada para baixo por muitos BDRs que raramente negociam. Por exemplo, 158 BDRs foram negociados neste ano em 5% ou menos dos pregões. Esse número sobe para 234 se considerarmos os BDRs que negociaram em até 10% dos pregões.

Por outro lado, nem todos os BDRs sofrem com baixa liquidez: 142 deles foram negociados em 90% ou mais dos pregões deste ano. Ao todo, 89 BDRs tiveram negócios em todos os dias de pregão no ano, dentre eles BDRs de empresas bem conhecidas tais como Zoom (SA:Z1OM34), Walt Disney (SA:DISB34), Walmart (SA:WALM34), Uber (SA:U1BE34), Tesla (SA:TSLA34), Spotify (SA:S1PO34), Pfizer (SA:PFIZ34), Netflix (SA:NFLX34), McDonalds (SA:MCDC34), Amazon (SA:AMZO34), Google (SA:GOGL34 e GOGL35), Coca-Cola (SA:COCA34), Visa (SA:VISA34), Banco Santander (SA:BCSA34), Bank of America (SA:BOAC34) e Alibaba (SA:BABA34), dentre muitos outros.

QUAIS OS BDRs QUE MAIS RENDERAM EM 2021?

Cabe mencionar que trabalhei com a rentabilidade total de cada BDR, ou seja, que considera dividendos e eventuais splits, bonificações e demais eventos que podem acontecer. Em outras palavras, trabalho sempre com a rentabilidade que é recebida efetivamente pelo investidor. A análise contempla o ano corrente e foi realizada até o fechamento  do dia 28/9/21.

Para expurgar o efeito iliquidez, analisei para efeito de rentabilidade em 2021 apenas os BDRs que foram negociados em no mínimo 90% dos pregões do ano, contemplando uma cesta de 142 ativos. Algo muito interessante a se notar é que a maioria absoluta desses BDRs (um total de 119 dentre os 142) estão com rentabilidade positiva no ano, enquanto o Ibovespa amargava no fechamento de terça-feira perdas de 7,5%. Esse é, claramente, um benefício do hedge comentado antes, pelo fato desses ativos serem dolarizados e representarem empresas internacionais (em sua maioria, pois há casos de empresas brasileiras que resolveram abrir capital fora do Brasil e possuem BDRs negociadas aqui – um exemplo é a Stone (NASDAQ:STNE)). Os 23 BDRs analisados que apresentam rentabilidade negativa no ano estão listados em ordem na tabela a seguir.

Na parte superior da tabela, apresento abaixo a lista dos 26 BDRs analisados que apresentam rentabilidade acima de 60% neste ano. Sete deles renderam acima de 100%, sendo que dois BDRs mais do que quadruplicaram de valor: BioNTech (SA:B1NT34) e Moderna (SA:M1RN34)

Baixe aqui a tabela completa com todos os BDRs 

É isso, pessoal. Quis chamar a atenção de vocês para esse mercado relevante e de fácil acesso na bolsa brasileira. Espero que tenham gostado. Escrevo sempre com muito carinho e responsabilidade.

 

  • Autor da Análise: Carlos Heitor Campani – Professor de Finanças do COPPEAD UFRJ. Pesquisador, Consultor e Autor na área de Investimentos, Previdência, Finanças Pessoais e Finanças Corporativas.
  • Sistema de Dados e Informações Financeiras:  Quantum Axis
  • Fonte:: Investing.com – publicado em 1/10/2021

Compartilhe este post

Menu